Os métodos geofísicos visam a identificar as litologias – as rochas e suas camadas, suas formações, idades e tudo pertinente a elas desde o seu surgimento – em subsolo através de propriedades físicas das rochas: resistência elétrica, densidade, campo magnético, propagação de ondas etc.

Primeiro Parágrafo

O tema é bastante específico e requer, inicialmente, a definição do termo em questão. A Geofísica é uma ciência que estuda fenômenos de investigação por prospecção – sondagens em uma mina ou jazida de minérios para determinar o seu provável valor – no estudo das propriedades físicas da Terra.

Principais tipos de Métodos Geofísicos

Dentre os métodos geofísicos estão:

– a gravimetria: cuida da determinação da atração gravitacional nos pontos da superfície da Terra usando os chamados gravímetros, com o objetivo de identificar contrastes de densidades rochosas no subsolo, que ocasionam alterações na aceleração da gravidade medida na superfície.

– a magnetometria: trata-se de um dos métodos mais versáteis, tanto na facilidade e rapidez quanto pelo custo mais baixo para o levantamento de campo, embora seja complexo no manuseio. Esta técnica detecta anomalias magnéticas no campo terrestre e possui grande usabilidade na prospecção mineral. Dentre as áreas de atuação estão: exploração de petróleo, avaliação de espessuras em bacias, prospecção direta de minerais magnéticos; água subterrânea e em fraturas, espessura de sedimentos, obras de engenharia entre outros.

– a radiometria: zela pela distribuição dos elementos químicos com radioatividade na superfície terrestre e leituras de radiação gama vindas das rochas, principalmente a detecção de urânio, tório e potássio.

– o paleomagnetismo: o meio gravitacional terrestre é muito investigado e esta ciência ou método consiste em utilizar instrumentos sensíveis capazes de determinar a intensidade e a direção de magnetização das rochas do tipo magnetita e ferro, apresentando esta ação magnética muito forte ou não, que por sua vez irá cuidar da identificação de depósitos minerais e de sua prospecção.

Métodos Geofísicos eletromagnéticos para a prospecção mineral

De acordo com o Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (IAG-USP), estes métodos geofísicos são utilizados largamente por geofísicos a fim de investigar as possíveis variações nas propriedades elétricas e eletromagnéticas, como resistividade, permeabilidade magnética e permissividade elétrica, de todos os materiais existentes abaixo da superfície da Terra. Tais variações podem ser oriundas de corpos geológicos surgidos naturalmente na superfície, como mineralizações e camadas aquíferas, ou mesmo produtos usados por ação humana, como dutos metálicos, poluentes, artefatos arqueológicos etc.

– eletromagnéticos: baseia-se na propagação de campos eletromagnéticos de baixa frequência, quer acima ou abaixo da superfície. Muito usado na exploração mineral;

– polarização induzida: permite investigar a ocorrência de trocas iônicas que se processam na superfície dos grãos metálicos, basicamente utilizado na exploração de sulfuretos;

– eletrorresistividade: o método gera informações sobre camadas na Terra que possuam anomalias na sua condutividade elétrica. O estudo de águas subterrâneas faz uso desse método;

magnetotelúrico: usa as correntes naturais da Terra (campos magnéticos alternos) que induzem correntes quando atravessam os materiais condutores do solo;

potencial espontâneo: detecta a presença de minerais específicos que reagem com eletrólitos presentes no solo e que dão origem a potenciais eletroquímicos.

Segundo especialistas da Sociedade Brasileira de Geofísica (SBGf), a geofísica é, hoje, um recurso necessário a qualquer interesse de exploração, principalmente para o Brasil, na exploração de minério de ferro como faz a gigante brasileira Vale. A Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), por exemplo, trabalha com os métodos geofísicos visando à descoberta de minerais de seu interesse, como estanho, calcário e dolomita, mas sempre mantendo profissionais de sua confiança na tarefa de acompanhar todo o processo, da fiscalização à coleta de dados. À medida que os anos avançam e as tecnologias seguem os passos da contemporaneidade, a geofísica avança junto ganhando mais força no cenário em que se desenha no Brasil e no mundo, na indústria da mineração.

E o mercado está antenado a essas inovações e avanços com vistas à redução significativa do risco exploratório pela utilização de métodos geofísicos como a magnetometria e a gamaespectrometria, que são capazes de otimizar ainda mais o mapeamento geológico, fornecendo dados mais apurados e confiáveis.

O Governo brasileiro investiu em 2004 mais de 105 milhões de dólares nos projetos geofísicos com vistas às melhorias na exploração de minerais no território nacional. Em 2014, o valor investido, com parceria da Companhia Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM), foi de mais de 465 milhões de reais, com foco avanço no conhecimento geológico, a retomada do ciclo de geração de jazidas minerais, entre outras iniciativas relevantes.

 

Imagem: NASA

Banner Newsletter