Neste artigo falaremos sobre uma das mais importantes regiões do mundo em cassiterita: O garimpo Bom Futuro.

Primeiro Parágrafo

A mineração, em suas mais variadas vertentes, é muito importante, pois é dela que saem diversas composições que são utilizadas para a fabricação de inúmeras coisas comuns ao nosso dia a dia. O trabalho que acontece nos garimpos tem perdurado ao longo dos séculos, graças a toda essa importância.

O minério de Cassiterita

A cassiterita é um minério que pode ser encontrado em várias cores e tons, tais como amarronzado, castanho-avermelhado, amarelo, preto entre outros.

Sua composição é basicamente formada por estanho (óxido de estanho, SnO2) sendo que a cassiterita é amplamente explorada em aluviões e eluviões de inúmeras regiões da crosta terrestre.

A maioria da cassiterita provém de depósitos aluviais ou de depósitos tipo plácer. Suas jazidas são importantes, visto que possuem um elevado valor econômico associado às suas atividades.

Entre os usos mais comuns do minério destaca-se sua utilização na composição das ligas de chumbo, matéria-prima que integra a produção de latas e embalagens, serve também como solda para fabricação e conserto de aparelhos eletrônicos.

Descoberta do garimpo em Rondônia

O garimpo Bom Futuro está localizado em Ariquemes no Estado de Rondônia e tem uma história muito antiga. Os primeiros dados que relatam a descoberta dessa jazida, considerada como a maior do mundo todo em cassiterita, são de pouco depois da metade do século passado. Relatos  indicam que a jazida foi descoberta em 1987, quando estavam sendo abertos os “linhões” do Incra.

A região, que até então vivia praticamente da agricultura, rapidamente recebeu inúmeros interessados em explorar a cassiterita. Porém, a exploração manual foi vedada algum tempo depois, devido a uma lei federal que priorizava o trabalho de médias e grandes empresas no garimpo.

Estima-se que cerca de 30 mil garimpeiros tenham colaborado com o primeiro lugar do Brasil na exploração do minério entre os anos de 1988 a 1990.

Atualmente, a região ocupa o quinto lugar como produtor mundial da cassiterita, mas o minério ainda é o principal responsável pela economia do estado.

Quem são os Requeiros?

Com a mecanização da extração da cassiterita no garimpo de Bom futuro, criou-se a classe de requeiros, que nada mais são do que os garimpeiros que vivem as margens das máquinas, catando os restos de minério que por elas são deixadas diariamente.

Segundo dados publicados pela Folha em 1994, cerca de 1.500 requeiros trabalhavam na época as margens das escavadeiras.

Impacto ambiental do garimpo Bom Futuro

A extração de minérios nos garimpos é uma das grandes discussões no meio ambiental.

Inevitavelmente, há prejuízo considerável para a natureza local e, em alguns casos os danos são até mesmo irreparáveis.

Tratando-se especificamente do garimpo Bom Futuro, entre os principais impactos observados, o assoreamento de alguns dos rios, igarapés e lagos da região é uma das maiores preocupações, visto que podem comprometer diretamente a todo o sistema fluvial do local.

Outro ponto que requer atenção é o descontrole na exploração que pode gerar risco para as pessoas que trabalham, residem ou transitam próximo as jazidas.

Também vale ressaltar que a extração mineral traz muitos prejuízos para a mata. Dados de 2008 demonstravam que a região do garimpo Bom Futuro havia sido responsável pelo desmatamento de uma área superior a 9 km².

Cerca de 28% da mata local deixou de existir graças a atividade extrativista da cassiterita.

Situação do garimpo e principais curiosidades

O garimpo Bom Futuro é explorado atualmente pela empresa CooperSanta que emprega mais de 400 empregados diretos nos trabalhos que são realizados na jazida.

Com o aperfeiçoamento das leis que dizem respeito a este tipo de atividade, essas regiões estão se tornando mais seguras para os trabalhadores e menos impactantes para o meio ambiente.

Com mais de 7% da reserva mundial do minério, a região em que o garimpo Bom Futuro está localizada é também a principal responsável pela extração da cassiterita, sendo que em Rondônia são produzidos cerca de 47% de toda a produção do país.

Vale lembrar que nessa mesma área existem outras jazidas que são menos expressivas, é claro.

O garimpo Bom Futuro é o maior garimpo a céu aberto do mundo todo, podendo até mesmo ser visto nas imagens feitas por satélite.

O número de mortes neste garimpo é expressivamente grande e aumenta a cada novo ano. Seja por desmoronamentos e acidentes de trabalho ou por homicídios, a região é conhecida por ter causado muitas mortes e ter ainda muitos corpos embaixo de seus lagos.

Gostou do conteúdo? Já conhecia a história do garimpo Bom Futuro? Deixe um comentário e compartilhe seus conhecimentos com outros de nossos leitores!

Banner Newsletter