A geoquímica utiliza de ferramentas químicas para resolver os problemas de origem geológicos, ou seja, faz uso da química propriamente dita para entender os processos e demais particularidades da Terra.

Primeiro Parágrafo

Através das leis da química, a geoquímica busca entender a distribuição dos elementos por todo o solo, bem como compreender os materiais que formam a crosta terrestre, como o magma, as rochas, minérios e minerais, etc.

Entre as principais preocupações da geoquímica mineral está a definição do local de coleta, forma e quantidade da amostra; o tamanho da parte a ser analisada e o método mais indicado de análise para o caso em questão.

Geoquímica de exploração mineral

A geoquímica pode se subdividir de diversas formas, entre elas a geoquímica de exploração mineral ou prospecção geoquímica, a que vamos nos aprofundar neste artigo. Através dela, é possível determinar a localização de depósitos minerais de alto valor financeiro, usando-se dos princípios químicos de distribuição de elementos sobre a terra.

A prospecção geoquímica pode ser definida como qualquer método sistemático usado para medir as propriedades químicas de um, ou mais materiais de origem natural. Como por exemplo, a composição de rochas e solos.

No quesito mineral, a geoquímica ocupa-se em determinar a abundância dos elementos no solo e identificar o padrão de distribuição destes elementos, a fim de considerar os princípios e a possibilidade de um depósito mineral naquela região.

Como funciona a exploração geoquímica?

Para fins didáticos vamos dividir o processo de exploração mineral por geoquímica em 5 passos e discorrer sobre cada um deles abaixo. A saber:

  1. Em primeiro lugar, realiza-se a seleção de métodos, elementos, sensibilidade e precisão de amostras. Neste ponto, levam-se em consideração os custos gerais da operação, os conhecimentos necessários do local, a capacidade laboratorial para processamentos das amostras e por fim, toda a investigação prévia realizada e experiências anteriores em casos similares.
  2. No segundo passo, entra em cena a amostragem inicial ou preliminar. Período em que se realiza amostragem em superfície, ou em profundidade do subsolo, para definir o nível de confiabilidade e avaliar os fatores proeminentes para identificação de um depósito mineral. Podemos chamar este processo também de Caracterização geoquímica.
  3. Em um terceiro momento, a análise das amostras parte para um laboratório, ou serão realizadas em loco. Para tanto deverá ser utilizado vários métodos analíticos.
  4. No quarto passo, já é possível coletar e mensurar as estatísticas e resultados da avaliação, utilizando os dados geológicos e geofísicos coletados até agora.
  5. Na sequência, ocorre a confirmação de anomalias e devem ser realizadas algumas amostras em áreas menores, também chamado de malha de amostragem com curto espaçamento. Novamente, realiza-se a análise destas amostras e a avaliação dos resultados obtidos.

Conclusão sobre a geoquímica mineral

Geoquímica mineral
Exploração Geoquímica

Apesar de seu uso recorrente, com maior destaque na década de 1940 com a descoberta de técnicas mais sofisticadas para a exploração mineral, a prospecção geoquímica também tem sido utilizada para localizar depósitos de minerais radioativos e combustíveis fosseis, para além dos minérios metálicos amplamente reconhecidos.

É considerada responsável direta pela descoberta, nos últimos anos, de jazidas importantíssimas para o cenário de mineração mundial. Destacando a sua utilização por órgãos de geologia estaduais, nacionais e, até mesmo, por empresas multinacionais do setor.

E você, tem algo a acrescentar sobre a geoquímica na pesquisa mineral? Deixe sua opinião no campo de comentários abaixo.

Banner Newsletter